Pular para o conteúdo Pular para a barra lateral do Vá para o rodapé

Unesp – Centro de documentação da Unesp colabora com publicação sobre resistência à ditadura

Lançado no mês passado como coleção de 12 DVDs, o projeto “Resistir é preciso…: a imprensa alternativa, clandestina e no exílio, no período 1964-1979 (do golpe à Anistia)”, teve colaboração do Centro de Documentação e Memória da Unesp (Cedem). “Quase todas as imagens constantes do encarte impresso foram obtidas no Cedem: são as capas dos periódicos alternativos dos anos 70”, diz o professor Antonio Celso Ferreira, coordenador do Centro.

Realizado pelo Instituto Vladimir Herzog, “Resistir é preciso” reúne depoimentos de 60 ativistas da imprensa alternativa nos tempos de ditadura militar no Brasil. O material, disponível em 12 DVDs, traz as histórias de jornalistas, sociólogos e profissionais que atuaram na produção de publicações que driblaram a censura.

O material foi lançado em 28 de junho no Memorial da Resistência, em São Paulo. A direção dos vídeos é do jornalista Ricardo Carvalho. “Filmamos, ao todo, 106 horas de vídeo em mais de um ano e meio de trabalho”, afirma. “Foram recolhidos os depoimentos de 60 protagonistas, fazedores de jornal. Não são apenas jornalistas, são pessoas que trabalharam da distribuição das gráficas, que fizeram os jornais alternativos, clandestinos e no exílio.”

Entre os entrevistados estão Aguinaldo Silva, Alípio Freire. Audalio Dantas, Bernardo Kucinski, Dácio Nitrini, Elifas Andreato, Fernando Morais, Fernando Pacheco Jordão, Gildo Marçal Brandão, João Quartim de Moraes, José Hamilton Ribeiro, José Luiz Del Roio, Juca Kfouri, Laerte, Maria Rita Kehl e Ziraldo Alves Pinto.

A obra estará disponível para encomenda a partir do dia 10 de julho, pelo site do instituto (http://www.vladimirherzog.org/). Até o fim do ano, segundo o diretor, o projeto dará ainda origem a um livro, uma exposição e um documentário para TV. “Nunca foi traçada a história do Brasil a partir da imprensa alternativa, clandestina e do exílio”, destacou Carvalho. “O que une todos esses sessenta personagens é a luta pela liberdade num momento muito difícil da ditadura brasileira. Tanto no exílio, na clandestinidade, como nos alternativos, o esforço para reconquistar a liberdade é surpreendente.”

Fonte: Unesp Online

Mostrar ComentáriosFechar Comentários

Deixe um comentário