Pular para o conteúdo Pular para a barra lateral do Vá para o rodapé

MEC corta 32 vagas da Unaerp

O Ministério da Educação (MEC) determinou o corte de 32 vagas no curso de medicina da Universidade de Ribeirão Preto (Unaerp). O órgão decidiu reduzir o número de vagas ofertadas em todos os cursos da área que obtiveram resultados insatisfatórios em suas avaliações. No total, foram 512 cortes em 12 instituições particulares. As medidas foram publicadas nesta quinta-feira (25), no Diário Oficial da União e as informações são da Agência Brasil.

As universidades têm até 30 dias para recorrer da decisão. Parte dessas instituições já tinha assinado termos de saneamento com o compromisso de melhorar a qualidade do ensino ofertado, mas os problemas persistiram. As principais deficiências apontadas pela comissão de supervisão do MEC são campo de prática insuficiente para os alunos, corpo docente sem a qualificação necessária e infraestrutura inadequada. A maior parte dos estabelecimentos de ensino que sofreu o corte das vagas é do Rio de Janeiro: Centro Universitário de Valença (menos 20 vagas), Centro Universitário de Volta Redonda (menos 40 vagas), Universidade Severino Sombra (menos 80 vagas), Universidade Iguaçu – Campus Itaperuna (menos 90 vagas) e Campus Nova Iguaçu (menos 50 vagas). Em São Paulo, a redução foi nos cursos de medicina da Universidade de Marília (menos 50 vagas ) e Universidade Santo Amaro (menos 20 vagas), além da Unaerp.

As outras instituições penalizadas foram o Centro Universitário Nilton Lins (menos 40 vagas), do Amazonas, a Universidade Luterana do Brasil (menos 60 vagas), do Rio Grande do Sul, a Universidade de Uberaba (menos 20 vagas), de Minas Gerais, e a Faculdade Integradas da União Educacional do Planalto Central (menos dez vagas), do Distrito Federal. Duas instituições federais que também apresentaram resultados insatisfatórios nas avaliações cumpriram as medidas de saneamento determinadas pelo MEC. O processo de supervisão do curso de medicina da Universidade Federal do Amazonas (Ufam) foi arquivado. No caso da Universidade Federal da Bahia (Ufba), o MEC avaliou que as medidas foram “parcialmente cumpridas” e determinou que sejam apuradas as responsabilidades de servidores pelo não cumprimento de algumas recomendações, além de relatórios semestrais sobre atividades docentes.

Fonte: A Cidade

Mostrar ComentáriosFechar Comentários

Deixe um comentário