Pular para o conteúdo Pular para a barra lateral do Vá para o rodapé

Flora brasileira

O Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq/MCT) e o Museu Nacional de História Natural (MNHN) da França assinaram convênio em Paris, no início do mês (9/10), visando a repatriação de dados genéticos de espécies autóctones da flora brasileira. O convênio permitirá a participação de estudantes brasileiros de nível doutorado e pós-doutorado no programa “herbário virtual”, mediante o qual o MNHN pretende digitalizar cerca de 8 milhões de amostras vegetais constantes de seu acervo.

Entre os objetivos do projeto, estão o estudo do impacto das mudanças climáticas sobre a biodiversidade. Os doutorandos brasileiros deverão contribuir, a partir do primeiro semestre de 2011, para a construção da base de dados referente às amostras da flora brasileira, com identificação precisa de seu local de origem.

O MNHN estima haver cerca de 500 mil amostras brasileiras, dentre as quais várias coletadas pelo célebre botânico francês August de Saint-Hilaire. Os pesquisadores brasileiros darão seguimento a seus estudos em instituições brasileiras e francesas, de acordo com os modelos “sanduíche” ou de “co-tutela”.

Recordando a celebração, em 2010, do ano internacional da biodiversidade, o Presidente do CNPq, Professor Marco Antonio Zago, referiu-se aos resultados do programa “Biota-Fapesp” para o mapeamento da biodiversidade no Estado de São Paulo. Falou dos planos para efetuar levantamento semelhante em nível nacional, com possível foco no
impacto das mudanças climáticas sobre a biodiversidade dos diferentes biomas brasileiros. Observou, ainda, que este projeto poderia oferecer novas oportunidades de cooperação entre o Brasil e a França.

Myriam Néchad, assessora internacional do MNHN, lembrou os preparativos para a realização, em 2010, de seminário franco-brasileiro sobre biodiversidade. Os representantes do CNPq e do MNHN destacaram também as possibilidades de cooperação oferecidas pelo Centro Franco-Brasileiro da Biodiversidade Amazônica.

Por fim, foi lembrado aos representantes do CNPq e do MNHN que o aprofundamento da cooperação bilateral no campo da biodiversidade está contemplado pelo Plano de Ação da Parceria Estratégica Brasil-França, assinado pelos presidentes dos dois países, em dezembro de 2008. O CNPq e o MNHN acordaram agendar novo encontro, a ocorrer no Brasil, em data a ser definida, para preparar a implementação do convênio assinado.

(Com informações da Assessoria de Comunicação do CNPq e do Ministério das Relações Exteriores)

Mostrar ComentáriosFechar Comentários

Deixe um comentário