dcsimg
Contato Anuncie


Busca: Buscar

Newsletter

Assine e receba informações atualizadas no seu e-mail:

Cadastrar

Vestibular em

Versão para impressão     Enviar para um amigo    

Página inicial : artigos

Qual o melhor método para idiomas?

Ao falarmos de método construtivista é fundamental discorrer sobre o processo de aprendizado. A busca de pedagogos sempre foi por encontrar a melhor metodologia de ensino . A um consenso chegou-se é necessário que exista métodos diferentes pois as pessoas possuem e desenvolvem habilidades distintas. É explícito a diferença de percepção auditiva, visual, oral entre pessoas que até então poder-se-ia considerar exposta a mesmas condições. Segundo o biólogo suíço Piaget "a inteligência do ser humano é construída, na medida em que sua estrutura biológica e fisiológica é colocada em interação com o mundo" . Ao criar em Genebra o centro de estudos sobre o desenvolvimento da inteligência humana percebeu-se que não é um só elemento que determina a inteligência e sim a interação humano X meio.

A teoria construtivista de idiomas, sob respaldo de Piaget busca trabalhar situações de uso cotidiano da língua estudada. Mas o uso deste método ao longo dos anos atestou a necessidade de uma busca teórica lingüística, mas que está fosse de forma simplificada e usual. É quando se verifica a criação de metodologias próprias oriundas de fusão de 2 ou mais correntes metodológicas. Atualmente a fusão que tem apresentado melhores resultados é a fusão dos métodos construtivista e estruturalista que cria uma atmosfera de alienação do aluno para internalização do idioma, mas possuindo uma base teórica que o conforta no sentido de saber o porquê do uso de cada estrutura necessária para a comunicação.

Segundo Sérgio Godinho, autor de métodos para idiomas de importantes instituições além de e revisor técnico de educação do SEBRAE, afirma que ser escola ou um professor sob a ótica construtivista dá trabalho: exige que ambos conheçam a teoria, entendam de psicologia do desenvolvimento, saibam abandonar a postura de controlador da aprendizagem do aluno. Exige que o professor saiba ler nas entrelinhas, tentando entender qual é a dificuldade de cada aluno, sem aquela velha tentação de "corrigir". Em síntese, escola e professor terão que colocar a mão na massa.

luciana@thebestweb.com.br

Fonte: Luciana Leal - Coordenadora de Idiomas - THE BEST IDIOMAS & INFORMÁTICA

Deixe seu comentário:

Versão para impressão     Enviar para um amigo    

Busca de cursos



Busca de faculdades



Quem somos

Contato

Anuncie

Faculdades

Cursos

Agenda

Notícias

Artigos

Dicas

Gabaritos

Resultados

Provas

-

Notícias e Dicas - Vestibular

Cadastre-se na nossa newsletter e receba as últimas do Vestibular e dicas de estudo: